quarta-feira, 31 de janeiro de 2018

O tempo

Olho para trás e lentamente vejo
A vida que depressa passou
Dos meus vinte anos intensos
Cheios de sonhos que o tempo levou...

Tantos planos foram traçados
Projetos ousados, alguns loucos
Condizente com a imaturidade
Porém muitos, morreram, aos poucos...

Sonhos que se foram com a idade
Deixando a vida tão marcada
Sem deixar dominar a tristeza
Nem tão pouco a alma amargurada

São agora maduro meus anos
Rugas, explícitas, expõem a verdade
Os cabelos, lindos, vão nevando
Mas na alma conservo a mocidade

Nádia Santos
25/01/18

12 comentários:

  1. Fantástico poema! Já sentia saudades, querida Nádia.

    Beijinhos

    ResponderExcluir
  2. Lindo como sempre. Tenho saudades suas.
    Gostava que visitasse, lesse, e concordando ou não, comentasse.
    .
    * COMO ATINGIR PLENA SATISFAÇÃO SEXUAL? - GUIA DO PÉNIS. *
    .
    Deixo cumprimentos luxuriosos.
    .

    ResponderExcluir
  3. És como vinho menina-poeta-doce-e-linda...
    Os anos pasam e ficas melhor...como pessoa, mulher e poeta!!!

    ResponderExcluir
  4. Boa tarde querida amiga de blog. Retornei ao mundo poético e me deparo com sua linda poesia. Muito grato. Abraços,

    Dan.
    http://gagopoetico.blogspot.com.br/2018/02/na-barba-de-todo-homem.html

    ResponderExcluir
  5. Olá, querida Nádia!
    Muito bonito ver os anos se passarem e o amor não morrer do nosso coração!
    São pequenos detalhes no rosto e no corpo mas a alma fica ilesa e jovem para sempre...
    Seja muito feliz e abençoada junto aos seus amados!
    Bjm de paz e bem
    http://espiritual-marazul.blogspot.com.br/2018/04/amor-azul-enlacado.html

    ResponderExcluir

Tua visita e teu comentário são para mim motivos de alegria e são muito gratificantes, mas por favor, procure comentar apenas o conteúdo da leitura. Espero que encontre aqui algo que te conforte e te deixe com a alma mais leve ou... ardente. Volte sempre! Com carinho... Nádia Santos