segunda-feira, 1 de agosto de 2016

Mãos ardentes


Sinto a brisa fria da noite
Soprando suavemente 
Bailam discretas as folhas
Passam as horas lentamente...

Procuro, entre nuvens, estrelas
Aparentando em mim calma
Demoradamente fito o céu
Enquanto agitada está minh'alma

Meus braços tristes pendidos
Carregam minhas mãos ardentes
Trazem tanto amor para ofertar...

Com os olhos fixos e perdidos
Desejo, meu amor, imensamente
Seu corpo loucamente tocar!

Nádia Santos
31/07/16

6 comentários:

  1. Poema fabuloso! Amei

    Beijo
    http://coisasdeumavida172.blogspot.pt/

    ResponderExcluir
  2. Mais um brilhante poema!!!!
    Gostei demais ;-)

    Bjos-visite

    http://deliriosamoresexo.blogspot.pt/

    ResponderExcluir
  3. Lindo e emocionante!!

    Um maravilhoso agosto.

    bjokas =)

    ResponderExcluir
  4. O finalzinho desse poema é divino
    Elogios Nadia eu adorei ..

    Abraços com carinho!

    └──●► *Rita!!

    ResponderExcluir
  5. Mãos que pedem um toque de amar!
    Lindo Nádia.
    Bjs-Carmen Lúcia.

    ResponderExcluir

Tua visita e teu comentário são para mim motivos de alegria e são muito gratificantes, mas por favor, procure comentar apenas o conteúdo da leitura. Espero que encontre aqui algo que te conforte e te deixe com a alma mais leve ou... ardente. Volte sempre! Com carinho... Nádia Santos