domingo, 26 de abril de 2015

Inquietação

Escuto os latidos dos cães...
O que será que os deixam 
assim, nessa agitação?
Não sei... só sei da noite
que se faz dentro de mim...
Das incertezas, dos medos,
dos fantasmas que me 
causam inquietação...
E nem mesmo tu querida lua,
se lá fora estivesse linda,
acalmaria o meu coração...

Nádia Santos
25/03/15



terça-feira, 21 de abril de 2015

Tempo...

Tempo...
Tens uma conta imensa
Para acertares comigo...
Quando terás que passar
Lento... se arrastando... 
Enquanto eu e meu amor
Estivermos, loucamente,
Nos amando...

Nádia Santos
15/04/15

domingo, 19 de abril de 2015

A "la Clarice"


Eu sempre estou pronta para dá o melhor de mim.
Sei que tenho pouco para ensinar e muito para
a aprender. E quando surgem as oportunidades eu as
seguro entregando-me aos momentos intensamente...
Sou assim, a lá Clarice... "me entender não é uma 
questão de inteligência e sim de sentir, de entrar em 
contato... Ou toca, ou não toca". E se tocar e sair 
faísca... prepare-se que as labaredas irão subir.

Nádia Santos

sexta-feira, 17 de abril de 2015

Quando à tardinha...


Hoje lembrei de ti meu querido
Na hora mansa quando à tardinha
O sol se vai e fica o céu escurecido
Também eu, pensativa e sozinha...

Encanta-me esse instante de magia
Quando lento se desvanece o sol
Todo meu ser é tomado de alegria
Assistindo o deslumbrante arrebol

Hora mágica... Hora de reflexão...
A natureza lentamente adormece
Chega a lua e domina a escuridão
E eu com a solidão, que me aquece

Nádia Santos

quinta-feira, 16 de abril de 2015

Pela manhã


Ao abrir meus olhos pela manhã,
Penso em ti e nesse sentimento 
Que insisto em manter vivo...
Não sei se por ele ser forte, intenso
Ou por pura teimosia...
E sinto que passar o dia sem você
Será dolorido, sofrido, insuportável!
Mas sempre à noite, quando me deito, 
Ainda com você nos meus pensamentos, 
Com sua imagem presa na retina
Renasce, novamente, a esperança 
De no dia seguinte te ver 
E finalmente ser sua...
Amor de mim!

Nádia Santos
15/04/15

domingo, 12 de abril de 2015

Essa sua ausência...

Por vezes, à noite,
O meu corpo é envolvido
Por um calor...
E fico eu sem saber,
Se é a natureza,
Esquentando-me na escuridão
Ou se é essa sua ausência
Tão presente que intensamente
E de maneira inquestionável,
Tira-me toda a razão.
Enquanto imagino teus olhos,
Brilhantes e ardentes, despindo-me.
Cheio de luxúria e com paixão.

Nádia Santos

quarta-feira, 8 de abril de 2015

Ah tempo, tempo...

Parece que vejo sua fisionomia...
Tirana e cruel, desdenhando-me.
Das minhas aflições, de minha pressa
Com uma expressão tão fria...

Ah tempo, tempo não faz assim!
Será que não vês minha angústia?
Apressa-te e ajuda-me, por favor,
Tira-me dessa agonia sem fim...

Desejava sentir sua sensibilidade
De perceberes que tudo que preciso
É ter comigo finalmente o meu amor
Embriagando-me de felicidade!

Nádia Santos
06/04/15

terça-feira, 7 de abril de 2015

Meu oásis


Passam as horas...
E numa lentidão,
Enfadonha, torturante
Sou jogada na noite escura...
Num deserto apavorante.
E nem mesmo o seu corpo,
O meu oásis,
Sei não irei encontrar,
Para saciar a sede do meu...
E com suas mãos e sua boca,
Deixar nele as suas marcas,
Do seu jeito ardente de amar.

Nádia Santos
06/04/15









domingo, 5 de abril de 2015

Noites vazias

Nessas noites vazias
Tão repletas de nada
Dolorosamente frias
De longa madrugada

Veste-se minhas mãos
De outras imaginárias
Alimentando a ilusão
Que não estão solitárias

Tentando assim aquecer
Minha pele quente e nua
Aliviando esse sofrer
De tanto querer ser tua

Nádia Santos
31/03/15

sexta-feira, 3 de abril de 2015

O que seria de mim...

O que seria de mim
Se não fossem, o vento,
A chuva, o sol, a lua,
As estrelas... o mar!
Porque  apenas com eles 
E para eles, posso 
Falar desse amor 
Que eu sinto por você...

Nádia Santos