terça-feira, 7 de abril de 2015

Meu oásis


Passam as horas...
E numa lentidão,
Enfadonha, torturante
Sou jogada na noite escura...
Num deserto apavorante.
E nem mesmo o seu corpo,
O meu oásis,
Sei não irei encontrar,
Para saciar a sede do meu...
E com suas mãos e sua boca,
Deixar nele as suas marcas,
Do seu jeito ardente de amar.

Nádia Santos
06/04/15









7 comentários:

  1. Sempre com boas inspirações! Parabéns.
    Adorei.

    Beijinhos.
    http://coisasdeumavida172.blogspot.pt/

    ResponderExcluir
  2. Oi Nádia,
    Tudo tem o tempo certo, não adianta apressá-lo para não escorregar no sabão, pois amor é coisa séria e temos que conquistar aos poucos.
    Beijos no coração

    ResponderExcluir
  3. Olá, Nádia!
    Acho tua poesia de sensualidade marcante que inspira desejos...
    Beijo.

    ResponderExcluir
  4. como escreveram para ti..."Perdida entre a lua e as estrelas"...estás!

    ResponderExcluir
  5. Não abra mão da sua crença, posto não haver muita chance de realização na descrença.
    Cadinho RoCo

    ResponderExcluir
  6. Uma linda poesia plena de sensualidade e solidão.
    Beijos.
    Élys.

    ResponderExcluir

Tua visita e teu comentário são para mim motivos de alegria e são muito gratificantes, mas por favor, procure comentar apenas o conteúdo da leitura. Espero que encontre aqui algo que te conforte e te deixe com a alma mais leve ou... ardente. Volte sempre! Com carinho... Nádia Santos