quinta-feira, 19 de março de 2015

As Marias


Era uma vez Maria... como tantas que existem por ai. Uma mulher romântica, sonhadora que apesar de madura e de já ter sofrida tantas desilusões, sonhava em conhecer um homem que a amasse de verdade, com sinceridade e respeito. E assim aconteceu, mais uma vez, Maria conheceu João Antonio, se apaixonou e logo estavam namorando. Depois de alguns meses de muito amor, promessas, juras e de Maria abrir seu coração e entregar-se para ele, chega um dia que ele diz que vai viajar e não sabe  se vai voltar logo e pede para Maria esperar por ele... ela aceita.
Passados quase um ano, Maria conhece outra Maria, ficam amigas e quando começam a falar de seus respectivos amores, percebem várias semelhanças e resolvem pegar as respectivas fotos que cada uma tinha dos seus amados e para a surpresa de ambas era ele, João Antonio. Ele estava enganando as duas, com as mesmas promessas, com as mesmas palavras doces e cheias de falsidades. Passaram-se mais um tempo e nenhuma das Marias tocou no assunto com ele que acreditava está com as duas no papo. Enquanto isso, elas o tratavam com indiferença e pouca atenção e seguiam suas vidas já com aquele homem riscado de seus corações. Elas apenas deixavam ele alimentar seu instinto de macho conquistador, sem imaginar que haviam descoberto tudo...
Certo dia ele avisa que está de volta e marca encontro com uma das Marias que logo avisa para a outra. No local e horário combinado ele está, quando uma se aproxima e antes que ele chegue perto da primeira Maria, a outra aparece deixando-o surpreso, sem ação. 
A primeira Maria fala:  Gostou da surpresa? Homens como você, que se acham tão inteligentes não sabem que mentira tem perna curta? A vida é uma caixinha de surpresa e você nunca imaginou que a vida iria cruzar meu caminho com o dela... Duas mulheres apaixonadas pelo mesmo homem... Fico imaginando quantas mais você está enganando com as mesmas promessas que fazia a nós duas... Como você deve ter se divertido às nossas custas... Será que homens iguais a você não tem medo de nada? Sim, porque tudo de mal que fazemos aos outros haveremos de pagar. Você nos envolveu, nos deixou apaixonadas, abrimos nosso coração, falamos dos nossos sonhos, te entregamos nossa intimidade, fomos sinceras enquanto você alimentava tudo sabendo que nunca iria cumprir!  Isso é cruel demais, é mesquinho... Tenho nojo de você!
A segunda Maria logo fala, sem deixar ele se explicar: Quando você estiver sofrendo, não reclama para Deus, nem se queixe da vida, pois será a vida ajustando contas por cada mulher que você enganou dissimuladamente com suas falsas promessas e suas mentiras... Pessoas como você terminam sozinhas. Ia te desejar felicidades, mas gente assim, jamais será feliz. Você é desprezível!
E dizendo isso, pegou na mão da outra Maria e deram-lhe às costas. Tendo as duas ajustado enfim, suas contas, desabafado, seguiram suas vidas, com seus corações cheios de esperanças. Jamais endureceriam por causa de homens desse tipo, pois acreditavam que em algum lugar encontrariam alguém sincero, sensível e honesto.

*Qualquer semelhança com a vida real é mera coincidência. Ou não... 

Nádia Santos
19/03/15


4 comentários:

  1. Oi Nádia,
    Os homens são assim mesmos. Quanto mais Marias melhor.
    Mas um dia as Marias tomam outro rumo e o mulherengo fica só, pois todos sabem da sua fama.
    Vai morrer na solidão de um asilo.
    Beijos no coração
    Lua Singular

    ResponderExcluir
  2. Nós, homens, somos terríveis, com algumas exceções, é claro.
    Um abração. Tenhas um lindo fim de semana.

    ResponderExcluir
  3. Belo texto!!
    ´nem sei que diga, tão realista.

    Beijo, bom fim de semana

    http://coisasdeumavida172.blogspot.pt/

    ResponderExcluir
  4. Você inovou, Nádia. Parabéns. E fica a lição, homens. beijossss

    ResponderExcluir

Tua visita e teu comentário são para mim motivos de alegria e são muito gratificantes, mas por favor, procure comentar apenas o conteúdo da leitura. Espero que encontre aqui algo que te conforte e te deixe com a alma mais leve ou... ardente. Volte sempre! Com carinho... Nádia Santos