sábado, 9 de agosto de 2014

Urgências de um corpo


Ah essas urgências 
Que meu corpo sente...
Essa vontade de minha pele 
De sentir arrepios enquanto lábios 
Percorrem cada pedacinho dela...
E os meus braços?! 
Eles desejam apertar... guardar...  
Prender.... proteger... aquecer... 
Tão pretensiosos eles são!
E minhas mãos?! Querem em outras
Ficarem ternamente entrelaçadas...
Querem acariciar uma face, peito, ventre...
Querem passear despudoradamente,
Indecentes e ávidas em outro corpo quente,
Loucamente desejoso do meu...
Quanta urgência... quanta impaciência...
Quanta loucura...quanto destempero!
Agora percebo que o desejo
Que me toma inteira e tão intenso
Provoca em meu corpo todo
Um desespero imenso!

Nádia Santos
09/08/14

5 comentários:

  1. Bom dia
    Quando saudade....quanto desejo.....lindo poema, adorei

    Bom Domingo
    Beijinho

    Coisas de Uma Vida 172

    ResponderExcluir
  2. E ainda bem que o corpo sente essas urgências.
    Belíssimo poema, gostei imenso.
    Nádia, tem um bom domingo e uma boa semana.
    Beijo.

    ResponderExcluir
  3. magnifico...adorei !!! :)
    parabens !!!

    ResponderExcluir
  4. Bom dia querida poetisa.. urgencia esta de todos nós.. feliz de quem tem o amor e o corpo do outro para abraçar e beijar.. ter este toque de pele essencial a especie humana que tanto necessita e é carente.. bjs de bom dia e até sempre

    Lapidando Versos

    ResponderExcluir
  5. Brilhante este teu post...Adorei!
    Beijinho, minha amiguinha brasuca!

    ResponderExcluir

Tua visita e teu comentário são para mim motivos de alegria e são muito gratificantes, mas por favor, procure comentar apenas o conteúdo da leitura. Espero que encontre aqui algo que te conforte e te deixe com a alma mais leve ou... ardente. Volte sempre! Com carinho... Nádia Santos