segunda-feira, 11 de agosto de 2014

Alma gêmea (Conto)


Carol estava triste, pois o que mais queria era encontrar seu grande amor, ela sentia que ele estava em algum lugar, a sua procura também, e saberia reconhecer quando o encontrasse.  Seria aquele que ao tocar sua mão faria com que ela sentisse estremecer todo o seu ser, seu coração bateria loucamente, lhe causaria esmorecimento nas pernas e lhe tirasse o ar. E assim tristonha e chorosa, pensando no seu amor adormeceu. Logo se viu caminhando num lugar maravilhoso que parecia o paraíso e ela pensou que só podia está sonhando. Para todos os lados havia flores de todos os tipos e cores e frondosas e enormes árvores formando caminhos e muitos, muitos e variados pássaros cantando ao mesmo tempo, num céu de um azul magnífico. De repente, uma voz doce e suave, chamou-a pelo nome, ela voltou-se rapidamente e viu, olhando para ela sorrindo, uma linda senhora toda de branco e envolta numa suave luz, seus olhos eram lindos e seu sorriso um bálsamo. Carol, embevecida com aquela presença se perguntava quem era, e ela como se lesse seus pensamentos respondeu que agora ela não sabia quem ela era, mais um dia descobriria e acrescentou que era um anjo mensageiro do amor e que veio para levá-la para conhecer sua alma gêmea, pois ele também estava a esperar por ela. Carol exultou de felicidade e seus olhos estavam impacientes e aflitos, enquanto se perguntava onde ele estava... Então a senhora disse que tivesse calma que antes iria prepará-la e dizendo isso, pediu para que fechasse os olhos e se acalmasse e só pensasse em coisas boas. Carol obedeceu, ficando assim até que a linda senhora pediu que abrisse os olhos. Para seu espanto, ela estava vestida com um lindíssimo vestido dourado como os raios de sol, longo, vaporoso e levemente transparente, em seus longos cabelos negros raminhos finos com delicadas e pequeninas florzinhas caiam de uma coroa que adornava sua cabeça e ela percebeu que já não estavam no mesmo local, mais que era tão lindo quanto o anterior. Ela não via mais a senhora, mas conseguia ouvir sua voz que dizia para seguir a estrada em sua frente, pois seu amor a esperava.

Ela seguiu por um lindo caminho, parecia que estava num imenso parque, que não tinha fim, quando de repente, viu um homem próximo a uma bela árvore e seu coração disparou, ele vestido numa túnica e calça também douradas e descalço, assim como ela. Ele se virou sentindo sua presença e olharam-se longamente. Ele seguiu em sua direção, devagar, trazendo no rosto um sorriso lindo, frente a frente segurou uma de suas mãos e a levou aos lábios, beijando-a suavemente e  aquele contado, de seus lábios em sua pele, quase a fez desmaiar e seu coração quase parar, tamanha era sua emoção que esse toque causou em todo o seu ser.
E ele falou: Meu amor, finalmente a encontrei, há tanto tempo que te procuro. Carol sentia duas lágrimas correrem pela face enquanto dizia que também o procurava. Ele a abraçou fortemente e Carol se deixou envolver por aquele abraço quente e cheio de amor e assim permaneceram um tempo até que ouviram a voz da senhora que dizia ser a guardiã do amor dos dois e que havia sido permitido esse encontro de almas mas que  estava no momento dos dois voltarem para o plano físico. A permissão foi dada porque os dois andavam muito tristes e que em breve aconteceria o encontro deles no plano terreno. Perguntaram como iam se reconhecer e ela disse que não se preocupasse, seus corações e almas se reconheceriam. Despediram-se felizes. A pedido da senhora, fecharam os olhos e foram levados para suas respectivas casas.

No dia seguinte, Carol acordou feliz e com seu coração cheio de esperança. Lembrava vagamente que havia tido um lindo sonho, que se encontrava num jardim com alguém especial, mas não conseguia lembrar-se dos detalhes. Os dias seguiam tranqüilos e num domingo lindo de céu azul, Carol marcou com uma amiga num parque muito bonito que havia na cidade, para conversarem e colocar a conversa em dia, mas já passava e muito do horário combinado e ela não apareceu. Para não perder a viagem ela procurou um lugar tranqüilo para sentar  e ler um livro (ela sempre carregava um em sua bolsa). Viu uma frondosa árvore e um banco desocupado, abriu a bolsa e pegou o livro sem perceber que uma pequena caderneta caiu no chão. Seguiu até o banco e antes que sentasse ouviu uma voz dizer:  Moça, acho que isso aqui lhe pertence. Ela se virou e olhando para ela estava um homem com um sorriso encantador e em uma de suas mãos estava sua caderneta e ele acrescentou: você deixou cair quando retirou o livro (ele estava me observando, ela pensou). ”Não vou negar, já faz um tempo que estou te observando, espero que não fique com medo de mim, é que fiquei encantado com tanta beleza”, disse ele com aquele sorriso lindo e um olhar que irradiava luz como se fossem dois sois. Carol estava encantada e não sentia nenhum medo, pelo contrário, sua presença era reconfortante e muito agradável. Ele estendeu uma das mãos para ela dizendo: Muito prazer, meu nome é Sérgio. Ela estendeu a sua e ele a segurou carinhosamente e levou até seus lábios, quentes, e a beijou suavemente, enquanto se olhavam nos olhos. Carol pensou que ia desmaiar, o coração parecia que ia parar, um estremecimento tomou-lhe todo o ser e uma emoção e sensação jamais sentida invadiu todo seu corpo. Não muito diferente se sentia Sérgio que disse ter a sensação que já a conhecia. Ela, emocionada também disse ter a mesma impressão e completou dizendo: Muito prazer, Carolina. Refeitos do momento mágico, ele perguntou se podia acompanhá-la em seu  passeio, ela sorrindo feliz respondeu com um firme e sonoro SIM. Seguiram então, juntos, pelo parque com os corações palpitando e com a certeza em suas almas de que, a partir daquele dia, nada os separariam.

Nádia Santos

13 comentários:

  1. Barbaridade Nádia!
    Que conto mais lindo! Eu acredito em almas gêmeas....
    Beijos no coração
    Lua Singular

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada amiga.... eu tbém acredito. Bjusss

      Excluir
  2. Bom dia Nádia
    Um conto lindo com um final feliz, adorei.
    Eu acredito em almas gémeas

    Beijinhos
    http://coisasdeumavida172.blogspot.pt/

    ResponderExcluir
  3. Bom dia,
    A Carol teve a sorte de um bom acontecimento inesperado, talvez um dia apareça um anjo mensageiro em frente da Nádia.
    Lindo conto a transmitir a felicidade futura.
    Dia feliz
    AG
    http://momentosagomes-ag.blogspot.pt/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. ´Pois é Antonio... Eu acredito e por isso espero.
      Um bj e obg pelo carinho.

      Excluir
  4. Uma história emocionante Nádia e eu acredito muito em almas gêmeas,pois existem mesmo!
    bjs amiga
    Carmen Lúcia.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu tanto creio que escrevi esse conto.
      Obg Carmem e um bj

      Excluir
  5. Que lindo, toda a mulher sonha com isso e quer viver um sonho assim.
    A certeza de um grande amor é o que nós move a continuar.

    bjokas =)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Bell, enquanto respirar e vou continuar acreditando rsrsr
      Eu sou assim... boba e romântica.
      Bjus sua linda.

      Excluir
  6. Nádia Lindo texto deves mesmo acreditar que será sempre possível realizar os nossos sonhos e encontrar-mos o nosso grande amor.
    Beijos
    Santa Cruz

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim Santa Cruz, isso faz os dias menos tristes. Bjus e obg

      Excluir
  7. Que lindo Nádia esta inspiração/construção saída dos sonhos encantados e tomando forma na realidade.
    O amor tem suas façanhas e quando acontece deixa no ar este clima de alegria e realização.
    Parabéns pelo conto com todos os encantos.
    Abraços com carinho.
    Beijo

    ResponderExcluir

Tua visita e teu comentário são para mim motivos de alegria e são muito gratificantes, mas por favor, procure comentar apenas o conteúdo da leitura. Espero que encontre aqui algo que te conforte e te deixe com a alma mais leve ou... ardente. Volte sempre! Com carinho... Nádia Santos