segunda-feira, 21 de abril de 2014

Cruel destino


Nesses dias, a solidão interesseira
Tenta, insistente, se abraçar comigo
Chegando carinhosa e sorrateira
Oferecendo-me conforto e abrigo

Frágil, sem ter tua ardente presença
Nem teu corpo quente para me aquecer
Sinto-me condenada a essa sentença
E vou agarrando-me à ela sem te ter...

Penso ser esse o cruel destino meu...
Amar demais e viver nessa solidão
Sem ter os beijos e os carinhos teu

Peço a tristeza para apartar-se de mim
Para deixe em paz meu pobre coração
Que já está acostumada a viver assim...

Nádia Santos
21/04/14


6 comentários:

  1. Oi Nádia, mande a solidão embora e viva feliz.
    Beijos de esperanças
    Lua Singular

    ResponderExcluir
  2. Olá Nádia

    Lindo esse teu poema... Masa credita que o que for teu será.. Gostei muito..

    Tem uma semana feliz.

    Beijinhos

    http://coisasdeumavida172.blogspot.pt/

    ResponderExcluir
  3. Olá.

    Os meus desejos de uma semana positiva. Com muita luz, paz social, e crença no que possa fazer-te, seguir adiante.

    ResponderExcluir
  4. Bonito soneto, amiga Nádia. Um abração. Tenhas uma linda semana.

    ResponderExcluir
  5. Soneto triste mas profundo e intenso

    Abraço

    ResponderExcluir
  6. Não fique cultivando a solidão acredite que amanhã será um novo dia e que tudo será diferente.
    Beijos,
    Élys.

    ResponderExcluir

Tua visita e teu comentário são para mim motivos de alegria e são muito gratificantes, mas por favor, procure comentar apenas o conteúdo da leitura. Espero que encontre aqui algo que te conforte e te deixe com a alma mais leve ou... ardente. Volte sempre! Com carinho... Nádia Santos