quarta-feira, 6 de novembro de 2013

Tua moradia

Frágil, aparentemente...
Delicado e pequeno
Meu corpo pretensioso
Deseja abrigar
Calorosamente e
Ardentemente o teu!
Vem... ocupa
Todos os meus espaços...
Use e abuse de cada
Recanto e com encanto
Faça neles resplandecer
A luz da vida 
Que dá alegria...
Vem, preencher-me toda
E faz do meu corpo
Tua casa, tua moradia!

Nádia Santos
06/11/13

7 comentários:

  1. Cada rima, pura sensualidade. Lindo como sempre

    Deixo abraço e carinho

    ResponderExcluir
  2. Olá, bom dia.

    O tempo é de luzir. Então cada um de nós que busquemos o nosso Sol.
    Ele paira, e nos convida ao aquecimento do cotidiano. Não por que queremos, mas por que o tempo, exige em exposição, que cada um de nós, busquemos o nosso lugar. Abraços.

    ResponderExcluir
  3. Olá Nádia!
    Sinto em cada palavra sua um desejo interminável de amor e desejo.
    Linda demais!
    Beijos
    Lua Singular

    ResponderExcluir
  4. Poema muito sensual...Espectacular.....
    Cumprimentos

    ResponderExcluir
  5. boa noite Ná

    nada mais gostoso, do que amar sem limites.

    bjokas =)

    ResponderExcluir
  6. Oi Nádia, Até há pouco essa postagem estava na minha lista de blog e sumiu. Por que será?
    Vá ver. saiu a outra que você fez
    Dorli

    ResponderExcluir

Tua visita e teu comentário são para mim motivos de alegria e são muito gratificantes, mas por favor, procure comentar apenas o conteúdo da leitura. Espero que encontre aqui algo que te conforte e te deixe com a alma mais leve ou... ardente. Volte sempre! Com carinho... Nádia Santos