segunda-feira, 15 de julho de 2013

A paixão que meu corpo abriga

Este meu corpo
Sempre a querer... sedento...
Sempre desejoso... carente...
Tão frágil... mas ardente!
Abriga, contra minha vontade
Esse sentimento louco
Que tortura de verdade
E que aumenta, aos poucos...
Esse meu corpo delicado
Cansado de lutar
Entrega-se languescente...
Entorpecido, embriagado
A uma doce indecência
A esta paixão que me alimenta
Mas que deixa feliz, agora,
A minha existência!

Nádia Santos
13/07/13

8 comentários:

  1. Mais um poema sedutor, numa mistura de amor/desejo, num corpo sedento... carente de amor

    Nesse corpo sempre a querer, sedento
    Numa existência tão desejosa de amar
    Qual vulcão incandescente,no momento
    Queria eu ser a água que te fosse acalmar


    Gostei muito de ler

    ResponderExcluir
  2. Sedutor,amoroso...e carencia...Adorei ler

    Beijinho
    http://coisasdeumavida172.blogspot.pt/

    ResponderExcluir
  3. Oi, adoro o jeito sedutor que usa nas palavras bem escritas e bem colocadas, nos levando a fantasias deliciosas...
    adoraria saber escrever assim, mas não sei!!!
    Fico como expectadora e leitora assidua...
    bjs
    Ritinha

    ResponderExcluir
  4. Belo e sensual poema...Espectacular....
    Cumprimentos

    ResponderExcluir
  5. Boa tarde Nádia.. sempre envolvida numa sedução sem tamanhos a tua poesia.. bjs e um lindo dia

    ResponderExcluir
  6. Oi Nádia,uma poesia apaixonante e envolvente!
    Linhas delicadamente escritas com sedução.

    Bjs amiga
    Carmen Lúcia-mamymilu.blogspot.com

    ResponderExcluir
  7. Um poema que inspira paixão que faz qualquer inverno ser verão...
    Belisismo dom esse teu Nádia.

    Um abraço querida,tenha uma linda terça feira

    ResponderExcluir

Tua visita e teu comentário são para mim motivos de alegria e são muito gratificantes, mas por favor, procure comentar apenas o conteúdo da leitura. Espero que encontre aqui algo que te conforte e te deixe com a alma mais leve ou... ardente. Volte sempre! Com carinho... Nádia Santos