sexta-feira, 19 de abril de 2013

Pelo avesso

Um furacão devastador atingiu-me
Envolveu-me num redemoinho ardente
Revirou-me pelo avesso, fez tremer
Minhas entranhas, assanhou-me...
Enlouqueceu-me... entorpeceu-me
Com uma fúria tamanha...
Despertou-me intensos desejos,
Deixou-me sedenta de beijos,
Com o coração palpitando.
Com o corpo clamando carente
Em gritos mudos, louco por carícias
Que jamais serão sentidas...
Um furacão devastou-me
Jogando-me ao chão... E agora o corpo
Apenas lembra do sonho de paixão...

Nádia Santos

Fortaleza-CE
18/04/13


3 comentários:

  1. Não se deve considerar que tudo au mau, o amor dura o que tempo que dura, enquanto durou foi excelente.
    Musica e vos do Abrunhosa é sempre agradável de ouvir.

    Abraço

    Espero a sua visita e o simpático comentário no meu humilde blog,

    ResponderExcluir
  2. Olá amiga tudo bem? Belo poema... Pelo o avesso, querida parabéns!

    Tenha um ótimo final de semana viu?

    Abraços!

    Maria Machado

    ResponderExcluir
  3. Oi querida,
    A paixão apaga ou morre, mas o amor é eterno.
    Adorei a poesia
    Beijos
    Lua Singular

    ResponderExcluir

Tua visita e teu comentário são para mim motivos de alegria e são muito gratificantes, mas por favor, procure comentar apenas o conteúdo da leitura. Espero que encontre aqui algo que te conforte e te deixe com a alma mais leve ou... ardente. Volte sempre! Com carinho... Nádia Santos