segunda-feira, 21 de janeiro de 2013

De conchinha (Soneto)


Após horas de intenso amor
Onde fui tua e fostes todo meu
Quando  nos fundimos em um
O cansaço, enfim, aconteceu...

Refeitos do desejo avassalador
Procura-me carinhosamente
Abraça-me por trás com amor
Envolve-me afetuosamente

Os corpos encaixam, é perfeito!
Sinto teu calor, bater o teu peito
Sinto-me assim... tua garotinha...

Ficar com nossos corpo colados
Aos poucos nos sentindo relaxados
E adormecemos... de conchinha...
Nádia Santos
20/01/13

4 comentários:

  1. Quanta poesia encerra seus versos, linda amiga!
    Quão belo o seu sentir!
    Parabéns!
    Dê um pulinho lá no meu e veja o que postei,
    bjs,

    ResponderExcluir

Tua visita e teu comentário são para mim motivos de alegria e são muito gratificantes, mas por favor, procure comentar apenas o conteúdo da leitura. Espero que encontre aqui algo que te conforte e te deixe com a alma mais leve ou... ardente. Volte sempre! Com carinho... Nádia Santos