domingo, 6 de janeiro de 2013

Anseios à tardinha

Quando ao fim da tarde morre o sol
Nesta hora linda e rubra à tardinha
Meu coração vibra com o arrebol
Desejando tua boca junto a minha...

E alegremente os pássaros nesta hora
Retornam, em alvoroço, aos seus ninhos
Enquanto desejo, loucamente agora
Os nossos corpos, amor, agarradinhos...

Momento em que deslumbrante o céu
Com magia se veste dum encarnado véu...
Para receber a misteriosa e faceira lua...

Momento em que meu corpo em frêmitos,
E minha alma te chama em mudos gritos
Por querer ser amor, ardentemente tua!
Nádia Santos
04/01/13


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Tua visita e teu comentário são para mim motivos de alegria e são muito gratificantes, mas por favor, procure comentar apenas o conteúdo da leitura. Espero que encontre aqui algo que te conforte e te deixe com a alma mais leve ou... ardente. Volte sempre! Com carinho... Nádia Santos