domingo, 9 de dezembro de 2012

Não importa...

Amanheceu cinzento o dia...

Vestido com um manto triste
Caminhos vazios, sem alegria
E uma chuva, que fina persiste

Chuva caindo no telhado
Tão linda, batendo na janela
Deixando o vidro embaçado
Produz uma canção tão bela...

Tempo que alimenta a solidão
Deixando saudoso o coração
Deixando tudo tão frio, vazio...

Mas em nosso quarto há calor
E nos amamos cheios de ardor!
E não importa se chove ou faz frio


Nádia Santos
07/12/12

3 comentários:

  1. Forma medieval tão bela
    de se fazer poemas
    quase todo poeta o faz
    é um dos que mais estudo
    mas não os sei fazer
    ainda mais tão belo
    como estes
    rimas ricas e sensíveis
    senti saudade da chuva
    e dos antigos lirismos
    um raro soneto de nove sílabas
    amei poeta
    fico mui feliz de você

    mui belo

    Luiz Alfredo - poeta

    ResponderExcluir
  2. OI NÁDIA!
    ATÉ PORQUE SE HÁ AMOR, TODA A NATUREZA SE OFERECE PARA TORNAR TUDO PERFEITO...
    ABRÇS AMIGA.
    http://zilanicelia.blogspot.com.br/ClickAQUI

    ResponderExcluir
  3. Uma inspiração linda nesta chuva que deixa tudo translucido e há romantismo neste olhar embassado pela vidraça, como a querer a colocar no colo as lembranças de um tempo feliz de amar.
    Aplausos amiga neste beleza de soneto.
    Linda semana de paz e muita poesia.
    Meu terno abraço.

    ResponderExcluir

Tua visita e teu comentário são para mim motivos de alegria e são muito gratificantes, mas por favor, procure comentar apenas o conteúdo da leitura. Espero que encontre aqui algo que te conforte e te deixe com a alma mais leve ou... ardente. Volte sempre! Com carinho... Nádia Santos