quarta-feira, 14 de novembro de 2012

Louco de amor




Sentado naquele banco de praça
Na face uma aparência amortalhada...
Olhar triste e vazio, fitando o nada
Nem percebe quem por ali passa...

Ele perdeu tudo... pouco a pouco...
Se entregou a tristeza desgostoso
Não desfruta da vida nenhum gozo
Coitado! Dizem que agora é louco!

Um dia quando à sua casa chegou
Ela estava tristemente vazia
Seu mundo desabou em agonia
Descobriu que sua amada o deixou...

Em longos gritos saiu correndo
Querendo entender qual a razão
Por que ela despedaçou seu coração?!
Que agora, aos poucos, ia morrendo...

Ele muito a amou...muito a quis...
Só ganhou em troca a ingratidão
Ela apunhalou sem dó o seu coração
Era agora um trapo de homem infeliz!

Naquela praça vive de suas lembranças...
Seu corpo demente já não tem mais vigor
O rosto marcado pelo sofrimento e dor
Da vida já não tem qualquer esperança...

A sua alma em delírio e perturbada
Em noites claras de lindo luar
Se põe loucamente a chorar e gritar
Chamando de volta a sua amada...


Nádia Santos
São Luis-MA
13/11/12

10 comentários:

  1. Nádia minha linda ...muito belo e As vezes me encontro em louco delírio de noites claras a luz do luar viu ...um beijo grande kkk Pedro Pugliese

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. kkkkkkkkkkkk Pedro, Pedro, eu atá acredito, por que será???? kkkkkkkk

      Excluir
  2. Respostas
    1. Olá Sarah, fiquei feliz com tua visita, obg! Bjus

      Excluir
  3. Nádia,
    Esse poema é maravilhoso!
    É carregado de sentimento e beleza, mas também de tristeza.
    E acho que é exatamente isso que faz o amor nos enlouquecer, não é mesmo?
    O mesmo sentimento pode, num momento, oferecer vida e no seguinte, tirar toda a nossa alegria...

    Agradeço à Dulce por trazer você até mim.

    Beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É verdade Isa, o amor tanto eleva como arrasta a alma às raias da loucura. É um prazer tê-la em meu blog e a Dulce é uma linda onde ela está tem sempre gente e coisas boas. Bjão, volte sempre!

      Excluir
  4. Nádia,
    Um amor traído, uma dor que resta, um homem devastado.
    São mágoas que não saram, são cortes na alma que não têm cura.
    Gostei da sua triste e bela poesia.
    Beijinho.
    Dulce

    PS: Fico feliz por ver que a Isa e você se encontraram! Outro beijinho!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É querida Dulce, infelizmente existem pessoas que não suportam ser abandonadas e/ou traídas pela pessoa amada, não sabe lhe dá com a perda, com o abandono... Fico feliz que tenha apreciado. Bjinhos

      Excluir
  5. amores e desamores, que deixam , dores.

    muito triste, mas existe.

    um beijo

    ResponderExcluir
  6. Gostei dos sentimentos expressos no seu poema, mas seu blog ainda não consigo enternder a organização. É blog ou site? Preciso voltar mais vezes. Parabéns.
    Passei também para te agradecer a visita ao meu blog, por indicação de Regina Razzi, uma das grandes amigas do coração, que a via virtual me deu, graças a Deus, a ela e a Gisa, outra grandiosa e luminosa amiga poeta. Gostaria que você visitasse o blog dela: só poesia, uma beleza.
    Esperando a sua volta, deixo, para você, um abraço afetuoso do
    Chico Miguel de Moura

    ResponderExcluir

Tua visita e teu comentário são para mim motivos de alegria e são muito gratificantes, mas por favor, procure comentar apenas o conteúdo da leitura. Espero que encontre aqui algo que te conforte e te deixe com a alma mais leve ou... ardente. Volte sempre! Com carinho... Nádia Santos