segunda-feira, 19 de novembro de 2012

A espera

Por que sempre que partes
Mesmo sabendo que tua saída é breve...
Meus braços sentem falta dos teus,
Meu sorriso logo entristece,
Minha boca triste emudece,
Minhas pernas querem correr atrás das tuas,
Estão confusas, pensam que são as suas...
Minha alma te segue louca, desarvorada...
Enquanto eu, fico com os olhos embaçados
Tua imagem neles mergulhados...
Mas algo me faz suportar
A difícil arte da espera...
O teu gosto... que fica vivo
Em minha boca...

Nádia Santos
São Luis-MA
19/11/12

5 comentários:

  1. Nádia minha linda esta pré saudade é inevitável ...sempre virá e linda é porque o certo retorno tudo constrói ...Tudo fulcro deste teu infinito e merecido AMOR ..que diante da gradeza dele o preço da pequena saudade...é muito barato ...pense no retorno ...lindo seu poema um grande beijo Pedro Pugliese

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Quando amamos de verdade, a aus~encia, mesmo breve, é dolorida. Bjus lindo!

      Excluir
  2. Nádia,
    Mesmo na mágoa da solidão, da ausência, há a magia da sensualidade.
    Gostei imenso, amiga!
    Beijinhos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sempre carinhosa... obg amiga por seu comentário. Bjus

      Excluir
  3. Lindo poema, ainda que solitários podemos ser poéticos e apaixonados... sempre!

    bjsMeus
    Catita

    ResponderExcluir

Tua visita e teu comentário são para mim motivos de alegria e são muito gratificantes, mas por favor, procure comentar apenas o conteúdo da leitura. Espero que encontre aqui algo que te conforte e te deixe com a alma mais leve ou... ardente. Volte sempre! Com carinho... Nádia Santos