quinta-feira, 18 de outubro de 2012

Sou menina











Nos teus braços me encontro
Quando me sinto perdida
Sem receio me abandono
Me sentindo, enfim, protegida

Esquecida por momentos a fêmea

Sou menina só querendo atenção
Teus carinhos me afagam a alma
Acalmando ternamente meu coração

No teu colo me aconchego com jeito...

Momento em que me deleito
Apoiando a cabeça no teu peito

Docemente me permito envolver

Por este amor que alimenta meu viver
E completa, inteiramente, meu ser


Nádia Santos

São Luis-MA
04/10/12

5 comentários:

  1. NÁDIA,

    você disse:"Por este amor que alimenta meu viver".

    Gosto desta forma antropofágica de expressar a saciedade de um amor pleno e atendido pela ingesta das razões pela quais ele nos prende.

    Gosto desta coisa de comer um amor como se ele fosse a barra de chocolate preferida ou aquele prato favorito que nos arrebata em tentação!

    Tem tudo a ver, realmente com o amor, esta degustação da carne e da alma em deliciosos e generosos pedaços permitidos.

    Pedaços deste pecado que servido à mesa deste monumental banquete do prazer,enlouquece,eriça e encrespa cada um dos nossos poros,nesta entrega desejável!

    Tendo a vida, como alimento o amor, é poder esperar depois, por aquele sono reparador que vem corrigir a exaustão dos benditos cansaços fruto daqueles prazeres incontidos, quase insanos,sempre animal!

    Nossa, gosto muito disto tudo!

    Um abração carioca.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada Paulo por tua visita e teu comentário tão poético, adorei. Um abração pra ti

      Excluir
  2. Nádia,
    estou te seguindo.
    Aguardo a sua visita tb.
    www.lilligarcia.blogspot.com

    ResponderExcluir
  3. Nádia querida hoje te achei muito mais menina linda ...muito linda ...um beijo Pedro pugliese

    ResponderExcluir

Tua visita e teu comentário são para mim motivos de alegria e são muito gratificantes, mas por favor, procure comentar apenas o conteúdo da leitura. Espero que encontre aqui algo que te conforte e te deixe com a alma mais leve ou... ardente. Volte sempre! Com carinho... Nádia Santos