quinta-feira, 2 de agosto de 2012

Deixa-me viver...


Ela chega bem de mansinho e envolvente
Causando, lentamente, frêmitos constantes
Pouco a pouco vou sendo tomada de agonia
E meus doces versos vão perdendo a alegria

Seus abraços são tão apertados que sufocam
Parecem verdadeiramente que me acorrentam
Esqueço tudo de bom, foge de mim a felicidade
Só penso tristeza, desencontros, tudo é saudade

Da minha boca foge a doçura, agora triste
Só gritos mudos... Nos olhos só lágrima existe
Cansados da solidão, que agora me faz sofrer...

E a solidão veste-se sempre de noite escura
Aumentando ainda mais essa minha tortura...
Espero o nascer do sol... deixa-me viver...

Nádia Santos
Recife-PE
04/05/12
 




Um comentário:

  1. As pessoas têm tanto medo de solidão...Eu não, não é à toa que me chamam de estranha, Não tenho medo de morte, gosto de solidão...É...Talvez eu não seja mesmo desse planeta. Beijussss. Ah! Uma novidade, fui expulsa do faceburro por falar uns merecidos palavrões aos encarregados de administrar aquela joça, sei lá quantas horas ou dias...Tomara fosse pro resto da vida...kkkkkk. Bjos garota!

    ResponderExcluir

Tua visita e teu comentário são para mim motivos de alegria e são muito gratificantes, mas por favor, procure comentar apenas o conteúdo da leitura. Espero que encontre aqui algo que te conforte e te deixe com a alma mais leve ou... ardente. Volte sempre! Com carinho... Nádia Santos