terça-feira, 28 de agosto de 2012

Infinitamente


A luz do luar iluminava minha janela
O céu estava repleto de estrelas belas
Comecei então a contá-las, tão bonitas
Logo parei bobagem, elas são infinitas

No dia seguinte fui decidida ver o mar
Pés descalços sentindo a areia os acarinhar
Seguei uma porção de areia em minha mão
Contar, impossível! São minúsculos grãos!

Assim como as estrelas e os grãos de areia
São infinitamente impossíveis de contar
Não dá para medir o tamanho do meu amar!

Assim como o sol retorna e tudo clareia
E nos ilumina e nos aquece religiosamente
Tenha a certeza amor, te amo perdidamente!

Nádia Santos
Recife-PE
02/05/12

4 comentários:

Tua visita e teu comentário são para mim motivos de alegria e são muito gratificantes, mas por favor, procure comentar apenas o conteúdo da leitura. Espero que encontre aqui algo que te conforte e te deixe com a alma mais leve ou... ardente. Volte sempre! Com carinho... Nádia Santos